quinta-feira, 1 de junho de 2017

Crítica: Ex-Machina: Instinto Artificial | Um Filme de Alex Garland (2015)


Caleb (Domhnall Gleeson) é um jovem programador de uma distinta empresa da área de tecnologia que ganha à surpreendente oportunidade de passar alguns dias na casa de seu excêntrico empregador, Nathan (Oscar Isaac), um brilhante e recluso gênio criador do buscador de internet mais utilizado do mundo. Mas essa oportunidade não foi fruto do acaso ou de sorte. Nathan tem mantido em segredo os seus sucessos na concepção física e teórica da Inteligência Artificial, e espera que Caleb aplique um teste chamado “Teste de Turing” que busca determinar o nível perfeição de sua criação. Seu trabalho consiste em interagir com Ava (Alicia Vikander) e determinar até que ponto o trabalho de Nathan alcançou a proximidade da consciência humana. “Ex-Machina: Instinto Artificial” (Ex-Machina, 2015) é uma produção dramática de ficção científica escrita e dirigida por Alex Garland (responsável pelo roteiro de filmes como “Shunshine”, de 2007, “Não me Abandone Jamais”, de 2010 e “Dredd”, de 2012). Também reconhecido escritor de livros, Alex Garland guarda para si mesmo o seu melhor trabalho de roteiro e estreia com toques de brilhantismo na direção desse drama que levanta a necessária discussão de vários questionamentos em volta do tema da inteligência artificial que ocasionalmente retorna ao cenário do cinema contemporâneo.

O Oscar de Melhor Filme de Efeitos Visuais ganho por “Ex-Machina: Instinto Artificial” na cerimônia do Oscar 2016, talvez não traduza corretamente as suas verdadeiras qualidades. Embora os efeitos visuais sejam de um acabamento requintado e bastante funcional aos propósitos dessa produção, seu maior mérito se encontra em um roteiro original que além de explorar com bastante fluência a temática da inteligência artificial, ainda esconde algumas surpresas. Todavia em outros eventos essa falha não foi cometida. Alex Garland se supera em sua estreia na direção onde seu filme rege uma atmosfera de suspense e tensão inteligente que trabalha bem todos os elementos que compõem essa produção. Os personagens, algumas passagens e certos diálogos estão repletos de referências bíblicas, literárias e históricas sutis brilhantemente distribuídas por toda a produção. Com um elenco enxuto e bem escolhido, a dupla de atores Oscar Isaac e Domhnall Gleeson surpreende pela materialização de seus personagens de funções distintas e imprescindíveis para trama. O filme funciona, embora algumas passagens gerem alguma estranheza e distrações incompreensíveis ao conjunto da obra que é marcado por algumas ousadias.

Por aqui, “Ex-Machina: Instinto Artificial” foi lançado diretamente em vídeo como em muitos outros países devido a sua estética pouco comercial (mesmo com o filme sendo estrelado pela famosa atriz sueca Alicia Vikander, o filme nunca foi mostrado nos cinemas suecos pela mesma razão). Mas o filme é muito bom se comparado a inúmeras outras produções de temática similar lançadas na última década.

Nota:  7,5/10
_________________________________________________________________________

4 comentários:

  1. eu tb gostei demais desse filme http://mataharie007.blogspot.com.br/2016/02/exmachina.html foi quando comecei a prestar atenção na alicia vikander. os outros dois tb são ótimos. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também aprecio muito o trabalho do Oscar Issac. Ator fantástico!

      bjus

      Excluir
  2. Também gostei. Está longe de ser um grande filme, mas ganha pontos pelo narrativa estranha e o clima sinistro em alguns momentos.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Com certeza não entrará para a lista de ninguém como um filme memorável, porém demonstra uma série de qualidades válidas ao longo de sua duração e que demonstram uma ótima iniciativa do cineasta para o gênero.

      abraço

      Excluir