quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Crítica: A Menina que Roubava Livros | Um Filme de Brian Percival (2013)


Durante a Segunda Guerra Mundial, em pleno regime nazista a Morte vem a nos apresentar uma de suas descobertas mais fascinantes: a história de Liesel Meminger (Sophie Nélisse), uma doce menina cuja mãe perseguida pelo regime nazista a envia para o subúrbio de uma cidade alemã para ser cuidada pelo casal Hans Hubermann e Rosa Hubermann (Geoffrey Rush e Emily Watson) em troca de uma esperada pensão enquanto a guerra se arrasta e devasta o território alemão. Logo após a morte do irmão, no enterro, durante seu sepultamento ela rouba o seu primeiro livro que inicia sua jornada de descobertas capaz de influenciar a todos a sua volta. De um jovem garoto que se torna o seu melhor amigo, a um fugitivo judeu que é mantido em sigilo no porão de sua casa, todos terão um papel marcante em sua vida. “A Menina que Roubava Livros” (The Book Thief, 2013) é um drama de guerra estadunidense inspirado no best-seller de mesmo nome do escritor australiano Markus Zusak publicado em 2005. Dirigido pelo diretor britânico Brian Percival, com base no roteiro de Michael Petroni, esse longa-metragem mostra pelos olhos de uma criança os trágicos acontecimentos de uma guerra frequentemente revisitada pelo cinema. Com a história contada através de uma narração em off pela figura sobrenatural da Morte (um dos aspectos mais interessantes do trabalho de Zusak), o diretor Brian Percival adota uma previsível atmosfera adocicada próxima a sua inspiração para descrever os horrores da guerra, mas sem ser comprovadamente capaz de conferir emoção ou tensão a uma história que enaltece o alcance da literatura e a força da vida num período histórico contundente.


O trabalho de Brian Percival reúne estrategicamente as melhores passagens de emoção e tensão presentes na obra literária, mas que transparecem estar ligeiramente desconectadas com a essência da obra de Markus Zusak (um livro sensível capaz de desencadear as mais variadas emoções). A transposição cinematográfica de A Menina que Roubava Livros embora tenha tido um acabamento impecável em relação aos aspectos técnicos (a direção de arte é rica na reconstituição do período em que se passa a história e a direção de fotografia é belíssima nas cores adotadas, além é claro, da reconhecida trilha musical que conferiu a essa produção uma indicação a John Willians ao Oscar de Melhor Trilha Sonora), o filme perde negligentemente no roteiro de Michael Petroni a imprescindível presença do incomum narrador (onde sua materialização se encontra na voz de Roger Allam), o desenvolvimento da história o deixa ofuscado com extensas ausências de suas impressões pessoais dos fatos e da vida. A figura da Morte, elemento tão importante na obra literária e que cujo aspecto a diferenciava de um punhado de outras obras que também tem sua narrativa erguida sobre o olhar de uma criança, causa uma infeliz sensação de desenvolvimento incompleto. Sobretudo, mesclar um elemento fantástico como esse a uma história de contornos clássicos também não é uma tarefa das mais fáceis, o que explica a razão de ter sido deixada em segundo plano. Em contrapartida, o filme entrega atuações bem positivas com destaque para o experiente Geoffrey Rush, um talentoso ator que sempre é garantia de agrado. Por fim, a excelente origem literária de A Menina que Roubava Livros gerou um longa-metragem agradável a quem desconhece o trabalho de Zusak e distante de se tornar memorável ou fazer frente a outros exemplares semelhantes como “O Menino do Pijama Listrado” de 2008.

Nota:  6,5/10
_________________________________________________________________________

4 comentários:

  1. Além de Rush, vale destacar as atuações de Emily Watson e das crianças.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Particularmente meus olhos sempre ficam mais direcionados ao trabalho de Rush (sou fã do ator). Aprecio sua capacidade de sempre conferir profundidade ao mais raso dos personagens. E sim, o restante do elenco principal tem o seu valor dentro do longa-metragem, embora não tenham me causado fascínio.

      abraço

      Excluir
  2. É um bom filme, achei bastante poético, porém, com um desenvolvimento com alguns probleminhas. Embora relativamente longo, achei que alguns personagens não foram aprofundados, como o rapaz que é afastado no porão por conta de uma doença e a dona da casa onde a protagonista pegava livros escondida. Mesmo assim achei lindo. Abs

    http://acervodocinema.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu li o livro, e devo dizer que o roteiro apenas aproveita as melhores passagens da obra que não se conectam com a devida naturalidade. As lacunas do livro ficaram visíveis e comprometem um pouco a experiência. Uma pena, mas o filme ainda assim imprimi um bom nível de qualidade para o gênero.

      abraço

      Excluir